Categorias
marketing digital, consultor

Dados semiestruturados: definição, tipos, exemplos

Dados semiestruturados: definição, tipos, exemplos. Nos últimos anos, novos softwares e técnicas de análise de dados estão se desenvolvendo, permitindo que você colete grandes insights de negócios a partir de dados qualitativos ou não estruturados e estruturados de e-mails, sites, interações de atendimento ao cliente, juntamente com dados quantitativos ou estruturados de estatísticas e planilhas.

Dados semiestruturados: definição, tipos, exemplos
Dados semiestruturados: definição, tipos, exemplos

Com dados qualitativos, os caminhos estão abertos para você ir além do que aconteceu e as razões pelas quais aconteceu com diferentes técnicas, incluindo mineração de opinião e análise de tópicos. A análise de semiestruturados é bastante fácil se você tiver os processos corretos.

Dados semiestruturados podem ser definidos como dados que não são organizados em bancos de dados relacionais nem possuem uma estrutura estrutural rígida, mas não perdem todas as propriedades de serem categorizados como uma forma de dados. Possui algumas propriedades estruturais e sua estrutura organizacional é frouxa.

Inclui o texto organizado por tópico ou assunto em uma linguagem de programação hierárquica, mas o texto em sua extremidade aberta não possui estrutura.

Alguns dos exemplos de dados semiestruturados são Assunto, Data, Recibo, Remetente, E-mail e se categorizados por aprendizado de máquina podem ser categorizados em pastas como promoções, caixa de entrada, spams, etc.

Significado

Dados semiestruturados: definição, tipos, exemplos,Dados semiestruturados são intermediários entre dados estruturados e não estruturados e combinam as características de ambos. Ele segue várias consistências e esquemas e existe para facilitar a clareza. Documentos XML, JSON, CSV são documentos semiestruturados. Bancos de dados SQL não são levados em consideração para o tratamento de dados semiestruturados.

Alguns dispositivos geram dados estruturados, não estruturados e semiestruturados, entre os quais os dados estruturados podem ser facilmente processados e gerenciados devido a uma estrutura bem definida. Pelo contrário, dados não estruturados e semiestruturados precisam de ferramentas de análise de dados para seu processamento e gerenciamento. Os dispositivos IoT estão incluídos entre esses dispositivos cujos dados de rede estão em movimento ou em trânsito. Por exemplo, arquivos de transferência de e-mail e navegação na web.

Do ponto de vista da indústria, os dados passam por dispositivos em movimento e esses dados podem ser filtrados e possuídos por outro dispositivo em conexão com a mesma rede ou podem ser enviados para o data center. Se os dados forem enviados ao data center, eles podem ser colocados na rota de processamento pelo software de análise de dados em tempo real e a resposta é recebida pelos dispositivos originais.

Vamos dar uma olhada na natureza dos dados semiestruturados também. Os dados semiestruturados são organizados em entidades semânticas e entidades semelhantes são combinadas, porém, entidades do mesmo grupo não precisam possuir os mesmos atributos e a ordem desses atributos não é obrigatória ou podem não estar em uso. Até mesmo o tipo e o tamanho dos atributos no mesmo grupo podem ser diferentes.

A informação pode ser extraída de diferentes formas a partir de dados semiestruturados. Para o índice de dados comumente são usados modelos de troca de objetos e modelos baseados em gráficos. Os modelos de troca de objetos (OEM) permitem que os dados sejam armazenados em modelos baseados em gráficos, pois são mais fáceis de pesquisar e indexar.

Além dessas duas, outra opção é o XML que permite a criação de hierarquias e facilita a busca e indexação. Além disso, ferramentas de mineração de dados podem ser utilizadas para a extração de informações de dados semiestruturados.

Se trabalharmos corretamente, o uso de dados semiestruturados não será difícil, pois nos fornecerá meios para integrar dados de várias trocas e fontes de diferentes sistemas. Se você considerar formulários da web, talvez queira modificar seus formulários ou habilitar a captura de dados diferentes para usuários diferentes.

Se você estiver trabalhando sem nenhuma alteração no esquema ou codificação do banco de dados, a remoção ou adição de dados não terá nenhum efeito nas dependências ou funcionalidades.

Tipos

Talvez sua próxima pergunta seja como os dados semiestruturados são criados e qual é o seu tipo. Alguns tipos de fontes de dados semiestruturadas são XML, executáveis binários, arquivos compactados, dados integrados de diferentes fontes, páginas da Web e outras linguagens de marcação.

O volume de dados semiestruturados está aumentando devido ao crescimento de diferentes páginas da web. Juntamente com este motivo, a necessidade de apresentação flexível da troca de dados entre bancos de dados contrastantes. Além disso, uma grande mistura de texto e dados estruturais, incluindo atributos e anotações, pode ajudar a gerar esse tipo de dados.

Onde nenhum esquema predefinido é necessário, dados semiestruturados podem ser usados por lá. Esse esquema pode ser parcial, muito grande, descritivo ou evolutivo.

Exemplo

Dados semiestruturados vêm em uma variedade de formatos para uso de indivíduos entre eles alguns possuem construção hierárquica avançada enquanto outros são pouco estruturados.

Alguns dos exemplos de dados semiestruturados são:

HTML

HTML ou HyperText Markup Language é uma linguagem hierárquica com semelhanças com XML, mas enquanto HTML é usado para exibir dados, XML é usado para transmissão de dados. As páginas da web que definimos acima são criadas usando HTML. Conhecendo a semi-estrutura do HTML, ele se inclina para o usuário exibir imagens e textos na tela do computador, mas esses textos e imagens em si não são estruturados.

Intercâmbio Eletrônico de Dados

Electronic Data Interchange ou EDI é a transmissão eletrônica de documentos comerciais de computador para computador. Esses documentos podem ser transmitidos previamente em papel, como faturas, ordens de compra e documentos de inventário. Vários formatos padrão são usados pelo EDI, entre eles EDIFACT, ANSI, ebXML e TRADACOMS. Por isso, é necessário que as empresas ao se comunicarem usem o mesmo formato. O EDI também é benéfico, pois transmite seus documentos em alta velocidade e com menor custo.

XML, CSV e JSON.

XML, CSV e JSON são três linguagens comuns e importantes quando ocorre a necessidade de comunicar ou transmitir dados de um servidor web para um cliente.

XML significa ‘Extensible Markup Language’ e é projetado para a comunicação de dados em uma estrutura hierárquica.

CSV significa ‘Valores separados por vírgula’ em que os dados são representados por vírgulas entre eles, como Jessica, Lucy. Os dados são expressos da mesma forma em um arquivo Excel.

JSON significa ‘JavaScript Object Notation’. Foi inventado em 2001 como uma alternativa ao XML, pois seu processo de comunicação é o mesmo do XML e também é menor em tamanho.

Leia também:História dos robôs, evolução, linha do tempo

Fontes externas: Wikipedia

This post is also available in: Português English (Inglês) Français (Francês) Deutsch (Alemão) Dansk (Dinamarquês) Nederlands (Holandês) Svenska (Sueco) Italiano