Categorias
conceito

O que é casamento?

O que é casamento? O termo “casamento” vem da palavra matrimonium, expressão latina que se origina das palavras monium, cujo significado é qualidade de, e matrem, cujo significado é mãe. Este termo fala sobre a união que duas pessoas fazem, como marido e mulher, mulher e mulher, ou marido e marido.

Hoje, esse pacto é celebrado por milhões de pessoas em todo o mundo. Dois indivíduos encontram motivos para fazer um vínculo de amor e, em homenagem a isso, criam um pacto que os compromete por toda a vida a se amarem nos bons e nos maus momentos, o que é conhecido como casamento.

Sob essa premissa, o significado da palavra casamento não parece complicado. No entanto, podemos encontrar múltiplos contextos, nos quais, embora não cheguemos a definições substancialmente diferentes, observaremos diferenças significativas. Assim, o casamento pode ser definido a partir de várias perspectivas, e tais definições serão apresentadas a seguir.

O Caviar Mais Caro do Mundo
O Caviar Mais Caro do Mundo
À direita

Na lei, o casamento é reconhecido como a união que uma mulher e um homem realizam sob declaração e contrato. As chamadas partes comprometem-se a constituir-se como um solene projeto familiar, que se tornará uma empresa legítima perante a lei, formada por duas pessoas para existência perpétua.

A conceituação do casamento, do ponto de vista do direito, deve ser caracterizada por ser altamente líquida, ou seja, uma conceituação que assumiu várias formas. Isso se deve fundamentalmente ao fato de que as cláusulas que definem a sociedade matrimonial são determinadas pelos princípios de cada país.

Essas são as bases morais que, de acordo com as normas de uma nação ou Estado, podem reconhecer o casamento formado por casais do mesmo sexo. Certas cláusulas advertirão que o casamento é um ato solene que uma mulher e um homem realizam, enquanto outros não. Portanto, o conceito de casamento em lei dependerá de cada margem legal.

Consiste na união legítima

Diante dessas avaliações, não se perde de vista a ideia de uma união legítima, de representação perante a lei como casal que decide se constituir perante o Estado. Uma instituição conhecida como família, legitimada pelo casamento.

É assim que o casamento é descrito a partir da lei, que, apesar de suas cláusulas diferentes, não perde a essência de uma união que se realiza entre duas pessoas perante o Estado.

De acordo com a Bíblia

Na Bíblia não encontraremos uma descrição per se sobre o casamento. No entanto, muito se tem falado sobre essa formalidade, visto que o casamento faz parte de um dos elementos mais importantes para a prole e a preservação da família. Para entender esse contexto, é necessário citar diferentes versículos da Bíblia.

Em Mateus (19: 4-6) encontramos a seguinte leitura:

Não lestes, respondeu Jesus, que no princípio o criador “os fez homem e mulher”, e disse: “Por isso, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher”, “os dois virão a ser um só corpo” Assim já não são dois, mas um. Portanto, o que Deus uniu, não separe o homem.

As bases da união matrimonial não se baseiam na busca de um ato formal e legítimo perante o Estado. É um vínculo que favorece a união e a criação da sociedade por meio da família, modelo que reconhece apenas um homem e uma mulher como membros daquela instituição.

Por outro lado, a leitura de Gênesis (2:18) cita:

Então Jeová Deus disse: “Não é bom que o homem prossiga sozinho. Vou torná-lo um assistente para complementá-lo.”

Este versículo do Gênesis fala da criação da mulher, reconhecendo-a como complemento do homem, que era observado sozinho. Por sua vez, a leitura de Gênesis (1:28) apóia as seguintes escrituras:

Além disso, Deus os abençoou e lhes disse: “Tenha muitos filhos, multiplique-se, encha a terra e tome conta dela, e tenha autoridade sobre os peixes do mar, os animais voadores dos céus e todos os seres vivos que se movem sobre o mar. terra. terra”.

O princípio da união entre homem e mulher, na bíblia, não é dirigido nos moldes do sagrado matrimônio. Portanto, não há um conceito concreto de casamento na Bíblia. Isso não exclui a explicação e orientação para a união entre homem e mulher, conforme observado na leitura anterior.

A Bíblia não define, mas descreve o casamento. Ou seja, adverte o modo como os esposos devem se reconhecer e, assim, unir-se em honra do milagre que Deus deu ao homem e à mulher para reproduzir.

Civil

O casamento é um ato reconhecido tanto pela Igreja quanto pelo Estado. Para o reconhecimento do segundo, é necessário o chamado casamento civil.

O casamento civil é um acordo conjugal em que duas pessoas declaram sua união perante o Estado. A referida união conceberá obrigações e direitos aos cônjuges, que serão zelados pelo referido órgão, e processados ​​em diferentes tipos de instituições públicas conforme o caso do país (entidades municipais, registro civil, juízes, etc.).

Pode-se dizer que o casamento civil é uma implicação jurídica que se constitui no momento em que duas pessoas declaram sua união perante a lei. Desta forma, um casal passa a fazer parte de um universo de relações conjugais registradas em um país, que devem corresponder a determinados deveres entre si.

O casamento civil é aquele em que os cônjuges administram os bens conjugais, que serão objeto de sucessão em caso de divórcio, recurso jurídico em que os cônjuges, diante da impossibilidade de sustentar a relação, decidem separar-se e deixar de ser casal no olhos da lei.

cristão

O casamento cristão é um pacto que duas pessoas pertencentes à fé cristã fazem diante dos olhos de Jesus e de sua igreja, onde concordam em cumprir todos os mandatos ditados pelo também chamado messias, agora unidos em casamento.

Somente cristãos batizados podem celebrar um casamento cristão e, desta forma, serem reconhecidos perante sua igreja como uma união legítima, respectivamente. Este pacto não reconhece a possibilidade de divórcio (como seria no caso do casamento civil), e normalmente é valorizado pelos cristãos com mais importância do que qualquer contrato civil.

o casamento cristão

Para a realização de um casamento cristão, um casamento deve ocorrer. É uma celebração com a presença de convidados, geralmente familiares ou amigos próximos do casal, membros da igreja, o casal e o pastor. No início do casamento, são realizados diversos louvores e, em seguida, prossegue a adoração a Jesus.

Mais tarde, o casal lê ou pronuncia os chamados votos de amor, que consistem em promessas ou mensagens que o casal deseja comunicar em homenagem à ocasião. Isso, como parte de suas declarações perante seu sagrado matrimônio. Agora, as alianças são trocadas, símbolo que vai eternizar o pacto de amor entre os esposos pela igreja.

Os casamentos cristãos, ao contrário dos católicos, não precisam ser celebrados estritamente em uma igreja municipal autorizada pelo Estado. Estas podem ser realizadas na casa de um dos cônjuges, ou também, em espaço acordado entre o pastor e os membros da igreja.

casamento católico

O casamento católico é definido, segundo a Igreja Católica, como a celebração do amor conjugal que Deus e seus reis pediram. Os esposos o celebrarão a partir da convivência íntima e do amor. Sua finalidade é a educação dos descendentes e a procriação, obedecendo ao mandato divino de povoar o mundo segundo Mateus (19: 4-6).

Para a celebração de um matrimônio católico, é necessário que os cônjuges tenham cumprido com êxito os sacramentos do batismo, comunhão e crisma, sendo o santo matrimônio o último e correspondente sacramento a ser realizado para se estabelecerem perante a Igreja Católica como atores firmes da palavra de Deus.

Da mesma forma, estabelece-se que não pode haver relação entre os cônjuges e não devem ser muito jovens, ao contrário do casamento cristão, onde é costume celebrar casamentos entre casais jovens. Da mesma forma, destacou-se que só podem ser celebrados nas igrejas católicas municipais.

Matrimonio católico
  • Save
O que é casamento? 3

o casamento católico

Enquanto no casamento cristão a celebração é orquestrada pelo pároco, a Igreja Católica faz uso da figura do padre para celebrar o casamento católico respectivamente. No casamento, os parentes dos noivos frequentam a igreja, onde a família da noiva será vista nas cadeiras da esquerda e, nas cadeiras da direita, a família do noivo.

Junto com a mãe, o noivo deve aguardar a chegada da noiva, que, ao entrar na igreja, será acompanhada pelo pai até o altar para entregá-la ao noivo. Este processo simboliza a entrega que o pai faz da filha ao genro, em homenagem ao seu agora pacto matrimonial.

O padre ficará encarregado de receber os noivos, explicando os conceitos mais importantes do casamento católico. Posteriormente, ele refletirá sobre a nova união que está prestes a ser acordada diante dos olhos de Deus. O padre fará aos futuros cônjuges uma série de perguntas, onde eles jurarão seu casamento por meio de suas respostas.

Posteriormente, ele dará o consentimento para a união dos esposos perante a lei de Deus e, desta forma, dará permissão aos noivos para entregar as alianças. Uma vez que os anéis estão no lugar, haverá leituras da Bíblia e depois as oferendas de pão e vinho, glorificando e agradecendo a Deus pela união dos esposos.

Os noivos, os padrinhos e as testemunhas vão assinar as certidões de casamento, e para se aproximar da etapa final, os noivos devem se ajoelhar para receber as bênçãos. Uma vez que isso terminar, o casal poderá ficar de pé, e eles serão apresentados pelo padre como Sr. e Sra., para dar um fim autorizando o beijo do noivo à noiva.

Igualitário

O casamento igualitário é um acordo em que uma instituição reconhece que duas pessoas do mesmo sexo podem casar, gozando assim dos mesmos direitos de um casamento tradicional e, neste sentido, sendo reconhecido perante a lei como um acordo legítimo e com o apoio do Estado.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é atualmente um argumento de debate em muitos países que ainda mantêm discussões sobre a validade que essa instituição merece. Portanto, nem todos os países permitem que duas pessoas do mesmo sexo se casem.

Múltiplos movimentos sociais em protesto exigem a aprovação desta instituição, pois é um dos direitos humanos mais importantes, como o direito à não discriminação.

O objetivo desses movimentos, conhecidos como LGBTI, é garantir a igualdade nos direitos de identidade de toda a população sem valorizar sua orientação ou identidade de gênero.

Atualmente, existem mais de 30 países no mundo que ainda mantêm a proibição do casamento entre pessoas do mesmo sexo. No entanto, espera-se que eventualmente possam reformar as leis regulamentadoras antes da celebração do também demoníaco casamento homossexual ou casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A questão torna-se complexa pela possibilidade de regulamentação que não depende estritamente do Estado, mas das autoridades religiosas.

Instituições que se caracterizam por terem um pensamento rígido e, portanto, uma situação complexa, dada a ideia de legitimar o casamento entre pessoas do mesmo sexo em determinados países como Rússia, Venezuela, Polônia, Paraguai, Bolívia, etc.

Eclesiástico

Um casamento eclesiástico é toda aquela união sob o conceito de casamento que duas pessoas realizam diante de sua igreja. Poderíamos dizer que os casamentos cristãos e católicos previamente definidos foram considerados eclesiásticos.

A celebração de um casamento eclesiástico não produz efeitos perante a lei, pelo que são considerados legítimos apenas dentro da sua igreja, onde são reconhecidos os efeitos esponsais (dependendo da religião) que os cônjuges assumem uma vez celebrados o casamento.

Cada igreja ou corpo reconhecerá seu casamento como um processo único, portanto, considerará suas próprias características únicas para isso. Por exemplo, o Código de Direito Canônico reconhece os casamentos católicos como sacramento e aliança realizados apenas por católicos batizados.

Canônico

O casamento canônico é aquele celebrado de acordo com os cânones estabelecidos pela própria Igreja Católica. Nesse sentido, pode-se falar de matrimônio canônico como sinônimo de matrimônio católico, onde se realiza o mesmo procedimento e se cumprem os mesmos juramentos de acordo com o mandato da Igreja Católica.

Por sua vez, a celebração prévia dos sacramentos do batismo, comunhão e confirmação é valorizada como requisito essencial. Da mesma forma, não é viável realizar esse casamento em pessoas que não foram batizadas, pessoas do mesmo sexo e pessoas que já possuem relação conjugal (poligamia).

O que é um casamento ilícito?

Um casamento ilícito é aquele que é celebrado em função de interesses alheios aos pactuados no casamento. Em outras palavras, é um contrato que é feito para obter benefícios decorrentes da união conjugal, que não estão relacionados ao amor ou interesses familiares.

Este tipo de casamento caracteriza-se por ser pactuado a preço ou acordo prévio entre as partes, que contemplam um benefício conjunto, uma vez que possam legitimar sua união. Esse tipo de casamento geralmente é realizado para obter benefícios de imigração, resolução na distribuição de bens, herança, etc.

Consertado

O casamento arranjado é uma instituição sociocultural em que a família (geralmente os pais) oferece ou escolhe um cônjuge para uma pessoa solteira. Portanto, o casamento pode ocorrer com ou sem o consentimento deste (neste último caso falamos de casamento forçado).

Embora esse tipo de casamento sofra de uma visão negativa nos países ocidentais, esse não é necessariamente o caso da maior parte da humanidade.

Em geral, as razões econômicas entram em jogo, então se nas classes trabalhadoras geralmente é simplesmente a necessidade de encontrar um cônjuge que permita que um de seus filhos viva com dignidade, entre os artesãos e membros das classes abastadas, predominam os interesses patrimoniais. . Dependendo do caso, um sistema de dote ou preço de noiva pode estar associado ao arranjo.

casamento aberto

O que exatamente é o casamento aberto? É um casamento em que marido e mulher não têm uma relação exclusiva em termos de sexo: ou seja, é possível fazer amor com pessoas fora do casamento.

Há quem diga que o casamento aberto é uma forma de fazer o casal durar mais, mas certamente não é fácil de administrar e não é para todos. Aliás, há quem considere isso uma desculpa para poder fazer o seu próprio negócio, uma espécie de traição legalizada, digamos.

casamento budista

Como você já sabe, o budismo é uma religião (uma filosofia que a visão ocidental) cujas origens remontam à Índia no século V aC. É um caminho individual cujo objetivo é alcançar o despertar fazendo desaparecer o desejo e a ilusão egóicos.

Portanto, o casamento no budismo é baseado em uma relação estabelecida entre o homem e a mulher. Não tendo carácter jurídico ou religioso, este sacramento surge, portanto, da necessidade de um casal (assim como das suas famílias) formalizar a sua relação. E isso de uma forma bastante simples.

Mas não deixa de ser um casamento rico em símbolos e preparativos. De fato, para unir os noivos, é preciso primeiro obter a bênção de seus respectivos pais. Só então o casal decide, se assim o desejar, organizar uma festa ou uma cerimónia para celebrar a sua união.

Se quiser legalizar a união, é feito o protocolo civil correspondente.

casamento hindu

Os costumes e tradições do casamento hindu são transmitidos de geração em geração. A cerimônia de casamento faz parte das antigas tradições da cultura indiana.

O hinduísmo considera o casamento sagrado, é a união de um homem e uma mulher para fundar uma família e a aliança entre duas famílias. Ao contrário do Ocidente, o casamento hindu continua sendo um casamento arranjado entre duas famílias. Hoje, afeta 90% dos casamentos hindus.

A cerimônia religiosa dura um dia ou até vários dias (de 1 a 12 dias). Quanto mais suntuoso o casamento hindu, mais famílias são formadas na sociedade. A cerimônia gera uma despesa considerável.

Como vai um casamento hindu? Os pais costumam usar sua rede de amigos, familiares ou casamenteiros para encontrar o par perfeito. Assim que o casal escolher, ocorrerá um encontro entre as duas famílias. O parceiro em potencial será escolhido da mesma casta.

casamento judaico

O casamento judaico é uma das cerimônias mais codificadas. Só pode ocorrer quando todas as condições forem atendidas. O casamento judaico só pode ser celebrado quando ambos os cônjuges são de fé judaica. Esta primeira condição é irrevogável e exceções não são toleradas.

Se um dos cônjuges não for da fé judaica, eles devem se converter. Para fazer isso, você deve seguir um procedimento definido para sua reciclagem. Esta regra é válida para homens e mulheres. Várias etapas são necessárias para concluir a conversão.

Uma vez que a regra é respeitada, é possível se preparar para a cerimônia. Os rituais começam no dia anterior à cerimônia onde a mulher deve tomar um banho de purificação. É o micvê. Durante o dia do casamento, os amantes também devem jejuar.

É claro que o casamento civil deve ser celebrado antes do casamento religioso. Esta é uma segunda condição da cerimônia de casamento judaico. É possível celebrar o casamento judaico todos os dias, exceto aos sábados, Shabat, feriados e durante o período do Ômer.

Quais são os fundamentos do casamento judaico?

O principal objetivo do casamento religioso segundo a tradição judaica é permitir a criação de um lar, baseado no princípio da fidelidade e da felicidade.

casamento muçulmano

O que o Islã diz. O casamento, no Islã, é considerado um contrato social com uma bênção divina (sura XXV, 54). Isso não exclui o amor entre a noiva e o noivo: a sura XXX, 21 explica assim que o casamento é um dos sinais da preocupação de Allah pela humanidade e que Allah “colocou amor e bondade” entre marido e mulher.

O casamento muçulmano (ou “casamento islâmico” é a mesma coisa) exige que certas condições sejam atendidas. Assim, se um homem de fé muçulmana pode se casar com uma mulher cristã ou judia (mas não com uma ateia), uma mulher muçulmana só pode se casar com um homem muçulmano.

Se o noivo não for da fé muçulmana, ele deve se converter antes do casamento. E os filhos do casamento devem ser educados na fé muçulmana. A saber.

Deve-se notar que os homens muçulmanos podem se casar “sem vergonha ou reprovação” com uma mulher divorciada; Sem surpresa, a lei islâmica proíbe o casamento de parentes próximos. Também (de acordo com a Sura IV, 4), o noivo deve dar um presente à sua noiva antes do casamento; esta é uma forma de dote chamada “mahr”.

Este presente pertence então à esposa: muitas vezes é uma soma de dinheiro destinada a mobiliar a casa. No século 21, esse presente é geralmente simbólico: a tradição muçulmana relata que Maomé uma vez deu sua aprovação a dotes muito simples: um par de sandálias ou um punhado de farinha.

Leia também:O que é cultura?; O que é psicologia?

Fontes:

(2021). Marriage. Wikipedia. Recovered from: https://en.wikipedia.org/wiki/Marriage

Adam, A. (2021). Marriage. Britannica. Recovered from: https://www.britannica.com/topic/marriage

(S/F). Catholic Marriage FAQs. For Your Marriage. Recovered from: https://www.foryourmarriage.org/catholic-marriage-faqs/

(S/F). What is a Christian Marriage?. St. John the Evangelist. Recovered from: https://stjohnbaytown.org/what-is-a-christian-marriage

(2021). Marriage in the Catholic Church. Wikipedia. Recovered from: https://en.wikipedia.org/wiki/Marriage_in_the_Catholic_Church

Share via
Copy link
Powered by Social Snap