Categorias
definição Língua

O que é ontologia?

O que é ontologia? A ontologia é uma derivação da filosofia, por vezes considerada uma ciência, ou também uma disciplina, que se encarrega de estudar o ser, recorrendo à análise de entidades como conceito, compreendendo assim a forma como se esquematiza com os outros.

Compreender a ontologia é uma tarefa complexa, mas não impossível. Acima de tudo, quando falamos de um corpo de conhecimento que conseguiu se diversificar em múltiplas áreas como direito, pesquisa, ética, entre outras. Nesta leitura, vamos desenvolver a ontologia a partir de suas diferentes áreas.

Para começar, devemos partir de sua base e, neste caso, nos referiremos à sua origem etimológica respectivamente.

Etimologia

O que é ontologia?, O termo ontologia é formado por elementos do grego, especificamente, do léxico “ontos”, que se refere ao ser e ao ente, juntamente com o léxico “logia”, referente ao conhecimento, ciência e conhecimento. É assim que a ontologia simboliza o estudo das entidades.

A aplicação da ontologia visa criar e definir as categorias básicas para entender o “ser em termos de ser”, por isso se dedica ao estudo de sua realidade e sua existência, com o objetivo de abordar categorias cada vez mais complexas.

de linguagem

A ontologia da linguagem é um termo proposto por Rafael Echeverría, filósofo e sociólogo chileno, encarregado de definir esse termo em seu livro “Ontologia da Linguagem”, no qual desenvolve uma série de postulados sobre esse conceito para sua compreensão.

El objetivo de Echeverría ha sido definir al ser humano como una especie intrínsecamente lingüística, lo que argumenta desde las siguientes explicaciones:

  1. A linguagem é um ato generativo: explica que a linguagem não é apenas um processo no qual fazemos referências a uma determinada coisa. É uma ação generativa, pois podemos criar consequências com nossas expressões, seja fazendo promessas, indicando um comando, fazendo uma declaração, etc. Não importa que língua seja, a língua é capaz de ação, razão pela qual é considerada um ato generativo e universal.
  1. O ser humano é linguístico por natureza: o ser humano possui uma linguagem complexa, que lhe permite elaborar ideias igualmente complexas. É um elemento essencial no processo de socialização, para gerar acordos, transmitir ideias ou construir uma realidade. Sem a linguagem, o ser humano não seria o mesmo, encontrando um grande número de limitações em seus processos.
  1. A linguagem é um processo criativo: a linguagem é capaz de moldar o futuro, assim como a identidade do ser humano. Portanto, é atribuído como um processo capaz de definir uma realidade, seja por meio do que é dito ou do que não é dito. Não é possível reduzir a linguagem a uma simples vociferação, pois é uma ação que determina o futuro.

Dessa forma, a ontologia da linguagem remete a uma tese que visa argumentar o humano como um ser de natureza linguística, definindo o modo como esse processo definiu completamente sua realidade.

Jurídico

A ontologia jurídica é uma área de estudo da filosofia do direito, que é responsável por determinar a natureza do direito, especificando qual será o objeto do qual serão feitas determinadas reflexões.

Nesse contexto, esse objeto é anterior ao conhecimento aplicado, portanto, há uma realidade intrínseca anterior ao estudo. Por meio da ontologia jurídica, conceitos do direito serão utilizados como um ramo a partir do qual se começará a obter uma reflexão do tipo filosófico em cenários posteriores.

em ética

A ontologia em ética pode ser definida como a categorização de todos aqueles princípios e valores que definem o que é moralmente correto no comportamento do ser humano. Nesse sentido, a ontologia em ética se encarregaria de estudar todas as abstrações que definem tais comportamentos.

Ontologia e ética tendem a ser definidas separadamente, reconhecendo a ontologia como o estudo de todas as entidades do universo, e a ética como uma disciplina baseada na reflexão do que uma pessoa faz em contraste com o que ela deve fazer de acordo com a moralidade humana.

Quando falamos de ontologia em ética, não podemos estabelecer uma conceituação híbrida. No entanto, podemos encontrar uma interseção como a explicada em princípio, onde podemos estabelecer que, em ética, a ontologia é responsável por compreender todas aquelas categorias que compõem os valores éticos do ser humano, respectivamente.

Derecho

Encontramo-nos com um sinônimo do que descrevemos anteriormente como ontologia jurídica. Nesse sentido, a ontologia no direito nada mais é do que o estudo do ser do direito anterior à sua aplicação a um objeto em questão. Com isso, pretende-se obter uma conceituação das normas jurídicas aplicadas a tal objeto.

Filosofia

Em sua essência mais básica, a ontologia é conhecida como um ramo da filosofia, pois se baseia no estudo do ser, com o objetivo de criar categorias de conhecimento aplicáveis, capazes de serem elaboradas de forma cada vez mais complexa, a fim de consolidar conhecimento.

É o estudo do “ser em termos de ser”, segundo Aristóteles, que explica sua abordagem voltada para a compreensão de todas as entidades da mesma maneira. No entanto, existem diferentes postulados quanto ao seu objeto de estudo, ou o que poderia ser, sua premissa em estudo.

Por exemplo, alguns teóricos como Berkeley afirmam que “ser é ser percebido”, embora essa premissa não tenha sido do tipo aceito pela comunidade. No entanto, não há uma qualidade definitiva ou consensual quanto ao estudo do ser, de modo que não é possível ter uma perspectiva objetiva sobre o estudo do ser.

Já as chamadas entidades nada mais são do que a soma das categorias, permitindo classificá-las e, assim, elaborar as informações que compõem o conhecimento. No entanto, mais uma vez nos deparamos com um problema de taxonomia, pois não há uma classificação definitiva das categorias.

Em pesquisa

Para a área de pesquisa, a ontologia é responsável por fornecer uma classificação coerente e útil dos objetos de estudo, permitindo que a pesquisa, particularmente a pesquisa qualitativa, seja um mecanismo com escopo importante em termos de obtenção de seus resultados.

Graças à aplicação da ontologia na pesquisa, é possível compreender os fenômenos estudados. Uma qualidade que tem sido de grande ajuda para a abordagem social na pesquisa, permitindo compreender todos aqueles construtos que são usados ​​para definir agentes do tipo social, como valores, cultura, conceitos, etc.

Pode-se dizer que a ontologia na pesquisa tem desenvolvido habilidades investigativas cada vez mais ótimas, aproximando-se de resultados de grande contribuição, encontrando uma sólida compreensão dos fenômenos na área qualitativa.

Fontes

  1. (S/F). Simons, P. Ontology. Britannica.Recovered from: https://www.britannica.com/topic/ontology-metaphysics
  2. (2021). Ontology. Wikipedia. Recovered from: https://en.wikipedia.org/wiki/Ontology
  3. (2003). Charles, T. Ethics and Ontology. Jstor. Recovered from: https://www.jstor.org/stable/3655731

ler mais: Ontologia em medicina e enfermagem; ontologia antiga

This post is also available in: Português English (Inglês) Français (Francês) Deutsch (Alemão) Español (Espanhol) Dansk (Dinamarquês) Nederlands (Holandês) Svenska (Sueco) Italiano